A Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) divulgou um boletim na noite de ontem (28) que informa que a Bahia registrou, de janeiro até meio-dia de ontem (27), doze casos notificados no banco de dados do Ministério da Saúde com suspeita clínica de infecção pelo novo coronavírus, nas cidades de Camaçari, Jequié, Tucano, Itabuna, Jacaraci e Salvador.
Dentre eles, seis foram excluídos por não se enquadrarem nos critérios do Ministério da Saúde, quatro foram descartados laboratorialmente e outros dois estão em análise.
O banco de dados do Ministério da Saúde é atualizado diariamente ao meio-dia. Com isso, cinco casos de Salvador, um de Feira de Santana e um de Porto Seguro ocorreram posteriormente ao fechamento do banco de dados ontem. Destes cinco casos em Salvador, dois deram entrada no Hospital Geral do Estado (HGE). No entanto, preliminarmente, estes dois são descartados por não se enquadrarem nos critérios clínicos epidemiológicos. Os demais casos ainda são investigados pelos órgãos municipais e estadual de vigilância.
De acordo com a Secretaria da Saúde do Estado, o caso divulgado como suspeito pelo Ministério da Saúde será retificado, porque já foi descartado.
O paciente com diagnóstico positivo para o novo coronavírus pode apresentar grau leve, moderado ou grave. Assim, a depender da situação clínica, pode ser atendido precisar ou não de internação. Com isso, mesmo ao serem definidas unidades de referência, não significa que ele só pode ser atendido em hospital.
Conforme a Sesab, os casos graves devem ser encaminhados a um hospital de referência para isolamento e tratamento. Já os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.
O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de duas amostras de materiais respiratórios, que serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Uma das amostras será enviada para a Fiocruz Rio de Janeiro.
Para confirmar a doença, é preciso fazer exames de biologia molecular que detecte o genoma viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que é indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.