Os nomes que devem disputar a prefeitura de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, já estão colocados. Para além do embate entre eles, há um dado que esses candidatos vão ter que lidar: o município é o quarto que mais mata por arma de fogo na Bahia, segundo o Mapa da Violência.
De acordo com o estudo, que destacou 150 municípios com maiores taxas de homicídio por arma de fogo, Lauro de Freitas possui uma taxa média de homicídio de 85,9, e está posicionado em 10º entre essas cidades.
No Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), quando são considerados os anos iniciais do ensino fundamental (Rede pública), Lauro de Freitas tem nota 4,5. O valor está abaixo da meta estabelecida para o município, de 4,9. Já nos anos iniciais no fundamental (Rede pública), a cidade tem nota 3,5, também abaixo da meta estabelecida de 4,2.
O município, que atualmente é comandado pela prefeita Moema Gramacho (PT), tem uma receita própria de R$ 214.543.140,84 e recebe R$ 303.993.978,69 por meio de transferência de recursos, o que resulta em uma receita total de R$ 518.537.119,53. Os dados são do Tribunal de Contas dos Municípios.
Desse total, ainda segundo o Tribunal, a gestora gasta R$ 75.270.794,98 com Saúde e R$ 167.419.220,41 em Educação. Para realizar o trabalho, ela tem um salário base de R$ 26 mil. Os secretários municipais recebem R$ 16 mil.
População
Os 198.440 moradores de Lauro de Freitas, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), vivem, em média, com um salário médio de 1,7 salários mínimos. Atualmente, o salário mínimo está em R$ 1.045.
Esse valor médio mensal dos laurofreitenses faz com que o município ocupe a 3607ª posição entre 5570 no país. Já na Bahia, está em 208 entre 417 do estado.
Ainda de acordo com o IBGE, a taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade em Lauro é de 97,2 %, o que deixa o município na 3382ª posição entre 5570 no país, e 227 entre 417 no estado.

- Deolhonews